Nunca é tarde para a estratégia certa: 7 passos para criar um plano de negócios para seu restaurante

Para abrir um restaurante de sucesso é necessário mais do que saber cozinhar: para que o negócio seja lucrativo, uma administração profissional é essencial, bem como estabelecer metas e se criar estratégias para atingi-las. Isso pode ser feito partindo do plano de negócios para seu restaurante.

Um dos maiores problemas entre os empreendedores é que raramente se dedica tempo ao planejamento. E assim, os negócios são construídos sobre a ideia de que basta oferecer pratos saborosos para que tudo dê certo. 

O resultado?

Milhares de bares e restaurantes fechando as portas nos primeiros dois anos de atividade.

Começar um negócio sem nenhum planejamento aumenta muito as chances de chegar a estágios  financeiramente insustentáveis. Tendo em vista que não se domina o mercado e o próprio negócio  

Ou seja, a preocupação em fazer o plano de negócio de um restaurante é a melhor maneira de começar o projeto com o pé direito. Mas se você não começou por ele, nunca é tarde para traçar o planejamento do seu negócio.

O que é um plano de negócios para seu restaurante?

O plano de negócio de um restaurante é uma espécie de trilha pela qual o negócio seguirá para crescer.

Baseia-se num estudo aprofundado tanto da concorrência quanto das ideias que o empreendedor tem para o estabelecimento. Para tal, cruza fatores internos e externos com intuito de traçar qual será a trajetória e a evolução do negócio, tendo como meta verificar sua viabilidade e lucratividade.

Qual a utilidade do plano de negócios de um restaurante?

Pode-se dizer que o plano de negócio de um restaurante é um mapa que guia os proprietários nas tomadas de decisão e nas ações da gestão. Desde o posicionamento até onde é possível cortar custos.

Se você precisar de um financiamento, um novo sócio ou pretende captar qualquer tipo de investimento, o plano de negócio também diz quais retornos ele pode esperar, qual crédito garantir e em qual prazo. Afinal, além de direcionar a gestão o planejamento imprime credibilidade ao negócio pois representa as diretrizes e metas reais.

Como fazer o plano de negócios de um restaurante?

Sendo assim, confira o passo a passo para elaborar o plano de negócio e fazer um investimento mais seguro:

1) Os quatro P’s do marketing

O primeiro passo do plano de negócio de um restaurante é estruturar as ideias através de um método eficiente e com parâmetros. Para isso, tipificar essas informações usando os quatro P’s do marketing é uma maneira profissional de começar. Analise, então, esses quatro tópicos;

  • Produto: qual é o produto/serviço que você vai oferecer ou já oferecer? Uma pizzaria, um delivery de marmitex, um restaurante vegano ou de comida saudável? Descreva em detalhes o produto e o serviço que será sua entrega ao cliente final.
  • Preço: é o quanto você pretende cobrar pelo produto ou serviço. Analisar estabelecimentos semelhantes é uma boa forma de encontrar uma média de preços do mercado, mas o indicado é a precificação calculada através do índices de produção e de lucro desejado. Também é importante definir qual é o público que você vai atender, já que isso tem uma grande influência sobre a precificação. 
  • Praça: onde você pretende operar? Novamente, o público que você pretende atender é muito importante para seu posicionamento, e a localidade define muito sobre quem seu público-alvo é.
  • Promoção: por último, mas não menos importante, defina como você vai divulgar o seu negócio. Afinal, você precisa convencer o público de que a visita vale a pena e mostrar seus diferenciais. Existem várias estratégias para promover seu negócio, fotos de comida estão entre os materiais que mais geram engajamento nas redes sociais. Redes que valorizam imagens, como o Instagram, têm muito potencial para te trazer mais clientes.

2) Análise da concorrência:

Investigue estabelecimentos que tenham uma proposta similar à sua e que, de preferência, operem próximos ao local onde você pretende abrir o seu negócio.

Estude e compare serviços e preços. Você acredita que pode competir com eles? Enxerga alguma oportunidade de negócio não explorada pelos estabelecimentos que já existem? Cruze tudo isso com os quatro P’s da sua ideia, para saber qual é o cenário com o qual o seu negócio terá que lidar e pense nos diferenciais que deverá construir para estar à frente de seus concorrentes.

3) Análise SWOT

Nessa etapa, você já definiu a proposta do seu negócio, sabe com quem vai competir e em quais condições. É a hora de cruzar os cenários interno e externo, para saber quais são os pontos fortes e fracos de seu negócio.

Você pode fazer isso de uma maneira muito simples e intuitiva, por meio da análise SWOT. Essa sigla inglesa significa:

  • Forças: são as suas vantagens perante os concorrentes e o cenário do mercado.
  • Fraquezas: são as suas desvantagens perante a concorrência. Se você estiver abrindo um novo restaurante, tenha certeza de que o fato de ser um estabelecimento jovem se enquadra nas fraquezas.
  • Oportunidades: são as brechas que você pode aproveitar. Pode ser um nicho de mercado inexplorado ou um serviço diferenciado, como o delivery, por exemplo.
  • Ameaças: são os fatores que podem prejudicar o seu negócio de alguma forma. 

Você deve construir uma matriz que exponha todas essas informações. Seja franco: saber quais são os aspectos negativos é muito importante. Afinal, reconhecer um problema é o primeiro passo para definir a solução e encontrar oportunidades.

4) Plano financeiro

Todo negócio é pensado com meta na lucratividade. Portanto, um planejamento financeiro prévio à abertura é um ponto crítico  na elaboração de um restaurante.

O ideal é ter uma organização meticulosa em que se deve analisar os seguintes custos:

Investimento inicial

Ao abrir qualquer negócio, é fundamental saber quanto você vai ter que investir. A partir daí, você define se seus recursos próprios serão suficientes ou se um reforço será necessário.

No caso do plano de negócio de um restaurante, esses são alguns dos gastos obrigatoriamente envolvidos:

  • Equipamentos de cozinha;
  • Honorários do contador;
  • Custos com o aluguel do ponto (reforma, caução, etc);
  • Recrutamento e contratação de funcionários;
  • Compra de móveis para o salão;
  • Contratação de um sistema para restaurante.

Importante: quando você chegar a um valor de investimento inicial, acrescente 20%, assim, em caso de imprevistos, há uma reserva.

Capital de giro

O capital de giro é o valor mínimo necessário para garantir o funcionamento do negócio. Você pode calculá-lo somando todas as despesas recorrentes, como:

  • Aluguel;
  • Custo dos insumos;
  • Salários e pró-labore;
  • Encargos (trabalhistas e patronais);
  • Impostos;
  • Água, luz e gás – restaurantes consomem muito esses recursos;
  • Divulgação.

Reserva financeira

É claro que nenhum negócio dá lucro logo de início. Por isso, é importante programar uma reserva financeira que seja suficiente para cobrir o capital de giro durante alguns meses. De tal modo, você garante que haverá recursos suficientes para garantir o funcionamento mínimo do restaurante.

Retorno do investimento

A famosa taxa de payback que é uma estimativa de quando você terá o retorno do valor que investiu no negócio. O cálculo dessa taxa é feito por meio da análise do fluxo de caixa, para estimar quando o valor acumulado irá se equiparar ao investimento inicial.

5) Definição dos fornecedores

Inicialmente, a escolha dos fornecedores não está associada somente ao preço, além disso, o valor dos insumos deve agregar desde a qualidade até as condições de entrega e pagamento. Por isso, nunca é uma boa opção escolher um fornecedor apenas pelo preço sobre os produtos.

Afinal,  insumos de qualidade são fundamentais para o sucesso de um restaurante.

Portanto, antes de abrir as portas, é essencial saber quais serão seus parceiros estratégicos para o fornecimento de ingredientes de qualidade, com condições logísticas vantajosas e boas perspectivas de negociação.

Por fim, faça uma cotação detalhada, pesquise no mercado e com outros proprietários de restaurantes, a reputação dos fornecedores estudados. Lembre-se: às vezes, o barato sai caro. 

6) Planejamento de operações no plano de negócios para seu restaurante

Essa parte do plano de negócio de um restaurante tem como objetivo definir e documentar como o estabelecimento vai funcionar. Sendo assim, estipule:

  • Horário de funcionamento: você vai atender no almoço, jantar, ou ambos?
  • Forma de atendimento ao cliente: você vai oferecer delivery, buffet, rodízio ou à la carte?
  • Capacidade produtiva: quantas pessoas você pretende atender por dia, semana ou mês? Se você trabalhar apenas com marmitex ou prato feito, também é possível traçar metas para o número de refeições vendidas e estratégias de como atingir esses objetivos.
  • Rotinas administrativas: defina quem vai se ocupar de cada função administrativa, divida as responsabilidade e cargos entre sócios e pense nos possíveis contratados e prestadores de serviços desse setor.
  • Quantidade de funcionários: quantos empregados você vai precisar para fazer o restaurante funcionar? Pelo menos no início, é interessante que você mesmo coloque a mão na massa, para economizar em salários e encargos.

7) Missão, visão e valores

Com o plano de negócio quase pronto, é a hora de montar o perfil institucional do seu restaurante.

Essa etapa é extremamente importante nesse momento de consumidores cada vez mais exigentes. Afinal, hoje o comportamento de consumo tende a ser norteado por valores e o cliente busca nas empresas posicionamentos claros e comprometidos. Se posicione institucionalmente de forma estratégica, mas verdadeira. Defina:

  • Missão: qual é a razão de ser do seu negócio? O que o torna único? Essas são as informações a ser colocadas na missão.
  • Visão: é a meta de longo prazo do negócio.
  • Valores: no que o seu negócio acredita? Sustentabilidade? Responsabilidade social? Boa comida a um preço acessível? Deixe claro seus valores e os comunique ao seu público alvo.

Conclusão:

No caso do mercado gastronômico, o planejamento estratégico irá orientar os proprietários a respeito do que fazer, com base tanto no cenário externo quando na proposta do negócio. Sendo assim, diante de desafios, como os primeiros dois anos ou mudanças do mercado e da economia, a gestão não ficará perdida. O planejamento auxilia na tomada de decisões no dia a dia do estabelecimento, mas principalmente em momentos críticos.

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *